• Assistência Social

    SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS

    O serviço tem a finalidade de promover a autonomia, a inclusão e a melhoria da qualidade de vida das pessoas participantes, buscando a complementaridade das ações com as diversas políticas públicas setoriais.

    Realiza atendimento especializado a pessoa com deficiência e suas famílias, através de ações que visem o atendimento e a Defesa e Garantia de Direitos sociais. Viabilizando o acesso a benefícios, programas de transferência de rendas, atividades culturais e de lazer, priorizando a autonomia da pessoa com deficiência e sua família.

    Os usuários participam de atividades sócioeducativas como: grupos psicossociais, oficinas de artesanato, inclusão digital, arte, culinária, inclusão social e demais atividades culturais, esportivas, recreativas e de lazer.

    Atendimento com as famílias:

    • Grupos temáticos mensais com temas sugeridos pelas famílias, palestras informativas e dinâmicas.
    • Oficinas de artesanato e cursos: com objetivo de proporcionar ações que visam a superação da fragilidade socioeconômica e psíquica, buscando implementar estratégias de renda e melhoria na qualidade de vida.
    • Atividade física e recreativa: Esta atividade é realizada duas vezes na semana, com objetivo de melhorar auto estima, qualidade de vida, diminuição da sobrecarga e stress.

    Sendo assim, estas atividades realizadas com os usuários e famílias tem como objetivo o fortalecimento de vínculos, prevenir o abrigamento e a segregação dos usuários, assegurando o direito à convivência familiar e comunitária, prevenir situações de sobrecarga da família de trabalho e utilizando meios de comunicar e cuidar que visem à autonomia dos envolvidos e não somente cuidados e manutenção.

    O público alvo do serviço pessoas com deficiência intelectual, seus cuidadores e familiares.

    Os serviços socioassistenciais desenvolvidos estão pautados na Política Nacional de Assistência Social- Lei Orgânica da Assistência Social – Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais e demais legislações que regem a assistência social, enquanto política pública de direito.

    Atividade de autonomia e culinária

     

     

    Inclusão social

    Oficinas de artesanato

    Atividades Esportivas

    Grupos psicossocial

    Oficinas das mães de artesanato e cursos

    Curso de salgado goumert

     

    Curso de bonecas

    Curso de trufas

    Grupos temáticos

    Grupo Auto- estima

    Grupo Atividade física e recreativa

  • Saúde

    CENTRO DE REABILITAÇÃO – CER II – APAE DE RIBEIRÃO PRETO

    Horário de funcionamento: de segunda à sexta-feira, das 7:30 as 16:30hs.

    Público alvo: Pacientes com deficiência intelectual e/ou deficiência física.

    Como posso ser atendido pelo CER II Apae Ribeirão? Pessoas de qualquer idade com Deficiência Intelectual ou física, podem procurar a unidade básica de saúde, onde receberão atendimento e se necessário for será encaminhado para o Centro de Reabilitação, via secretaria municipal de saúde. É agendada então uma Triagem para avaliação médica e com equipe de Triagem do CER II Apae Ribeirão Preto e sendo elegível ingressa para o programa e inicia os atendimentos de reabilitação.

    EQUIPE

    Medicina (Especialidades médicas: neurologia, psiquiatria, fisiatria e ortopedia)

    Enfermagem: tem como objetivo promover e incentivar o autocuidado através de orientações e treinamento de situações. A enfermagem é a arte de cuidar e a ciência cuja essência e especificidade são o cuidado ao ser humano, individualmente, na família ou em comunidade de modo integral e holístico, desenvolvendo atividades de promoção, proteção, prevenção, reabilitação e recuperação da saúde.

    C:\Users\saude\Desktop\FOTOS E VÍDEOS\15380439_10205830544681598_171564862028488644_n.jpg

    Fisioterapia: ciência aplicada ao estudo, diagnóstico, prevenção e tratamento de disfunções cinéticas funcionais de órgãos e sistemas. Trabalha visando à habilitação e reabilitação das condições físicas e funcionais do paciente, através de técnicas específicas que estimulam o desenvolvimento neuromotor e trabalham o controle motor do indivíduo. A intervenção também inclui tratamentos pré e pós aplicação de toxina botulínica, uso de bandagem (kinesio-taping) e outras técnicas.

    Fisioterapia aquática: é um recurso complementar que é oferecido para os pacientes que frequentam o CER II. Métodos como Halliwick, Bad Ragaz e Watsu, são utilizados, além de recursos lúdicos e outros, que em conjunto com os benefícios promovidos pelas propriedades do meio líquido, otimizam o processo de reabilitação.

    C:\Users\saude\Desktop\FOTOS E VÍDEOS\Fotos Sta Úrsula\_MG_9031.jpg

    Fonoaudiologia: tem por objetivo a prevenção, o diagnóstico e tratamento das alterações da comunicação oral e escrita, audição, voz, motricidade orofacial e deglutição.  Com atendimentos individuais e/ou grupais a fonoaudiologia avalia, planeja e trata esse paciente, através da estimulação da linguagem oral e/ou escrita e
    também utilizando o recurso da comunicação alternativa quando necessário. Visa à adequação do sistema motor oral (mobilidade, tônus, posicionamento e funções dos órgãos fonoarticulatórios), utilizando para isso recursos e tecnologias variadas, além de contribuir com o processo de ensino aprendizagem do paciente. A avaliação e orientação da alimentação quanto ao posicionamento, volume, velocidade de oferta, consistência e utensílio é realizado sempre que necessário, garantindo assim um atendimento integral e humanizado.

    Psicologia: auxilia a pessoa com deficiência a desenvolver os aspectos cognitivos, sociais, afetivos e emocionais. Com atendimentos individuais, grupais e orientações às famílias, professores e demais profissionais, visando à prevenção, identificação e manejo de problemas psicossociais e melhorar a qualidade de vida.

    Terapia ocupacional: é um campo de conhecimento e de intervenção que atende pessoas que por razões ligadas à problemática específica (físicas, sensoriais, mentais, psicológicas e/ou sociais) apresentam temporariamente ou definitivamente dificuldade da inserção e participação na vida social. O trabalho desenvolvido é promovido a partir da atuação em equipe multidisciplinar, podendo ser realizado em grupos e/ou atendimentos individuais e tem como objetivo fundamental proporcionar meios e instrumentos de ação voltados à maior independência dos pacientes atendidos. Desde as necessidades mais básicas do desenvolvimento como sentar e brincar, bem como em suas atividades básicas de vida diária (alimentação, higiene, vestuário, locomoção e comunicação), até nas atividades instrumentais de vida diária (usar o telefone, fazer compra, preparar refeição, fazer faxina, lavar roupa, usar meio de transporte, tomar medicações e gerenciar finanças, por exemplo) e de trabalho protegido. Nessa perspectiva, o terapeuta ocupacional atua também no desenvolvimento do processo de autonomia dos pacientes, a fim de garantir que possam realizar suas próprias escolhas em relação aos diferentes aspectos de sua vida, desde escolher a roupa que irá usar até construir projeto de vida futura.

     

    Integração sensorial: a terapia ocupacional conta também com uma sala de Integração Sensorial (processo pela qual o cérebro organiza as informações, de modo a dar uma resposta adaptativa adequada, organizando assim, as sensações do próprio corpo e do ambiente de forma a ser possível o uso eficiente do mesmo no ambiente). Assim com mais este recurso se oferece oportunidades para a criança organizar a sua conduta, fornecendo condições para explorar suas necessidades e fazendo com que o sistema nervoso organize os estímulos, produzindo respostas adaptativas adequadas ao ambiente. As sensações são proporcionadas de forma agradável, utilizando para isso equipamentos suspensos e diversos outros materiais que tornam a terapia atrativa e divertida.

    C:\Users\saude\Desktop\FOTOS E VÍDEOS\Fotos Sta Úrsula\_MG_8843.jpg

    Nutrição: atendimento ao paciente visando o diagnóstico nutricional, orientação e acompanhamento de dietas para casos de obesidade, desnutrição, diabetes e outras, auxiliando no processo de reabilitação.

    O Centro ainda conta com programas diferenciados para atender a pessoa com deficiência de forma integrada:

    Programa de Estimulação Precoce é um diferencial do Centro de Reabilitação, que acolhe o bebê juntamente com sua família, onde recebem todo o suporte para seu desenvolvimento. Nesta fase, a família demonstra um grande sofrimento psíquico e com muitos questionamentos e angústias diante do tratamento que irá se iniciar. A estimulação precoce, é feita através dos atendimentos de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional, enquanto sua família é acompanhada pela psicologia, que busca dar suporte e orientação para que esta família se reestabeleça e consiga ter o enfrentamento necessário para proporcionar ao seu bebê o que ele necessita para desenvolver. As orientações de toda equipe nesta fase é de extrema importância. Em outro momento, a equipe também oferece todo o suporte e orientação quando se inicia o processo de inclusão escolar, que muitas vezes é despertado pela equipe, pois a família tende a protelar este momento que é fundamental para criança. Visitas escolares para orientações e trocas com outros profissionais, é parte desta rotina para que a criança e sua família consigam êxito em se inserir meio educacional.

    Acompanhamento do profissional de Saúde na educação e assistência social: Alguns pacientes (com deficiência intelectual) que frequentam o Centro de reabilitação, também frequentam a escola de Educação especial ou o programa de assistência social da Apae, portanto se beneficiam de um tratamento com um olhar muito mais amplo, pois os profissionais que o assistem tem a oportunidade de vivenciar , avaliar e tratar esse indivíduo em diferentes contextos e ambientes, podendo perceber suas respostas adaptativas e interação com o meio, tendo assim ampliada suas ferramentas de trabalho. Assim o processo de reabilitação se torna mais completo e eficaz. Recursos de tecnologia assistiva, que variam desde adaptação de talheres e mobiliários, órteses, bengalas, dispositivos posturais até recursos como comunicação alternativa, aplicativos e sistemas computadorizados, são amplamente utilizados.

  • Educação

    OBJETIVOS DA ESCOLA ESPECIALIZADA

    A Escola de Educação Especial da APAE tem por finalidade prestar educação especializada a pessoa com deficiência intelectual, múltipla e transtornos do espectro autista com comprometimentos acentuados oferecendo atendimentos educacionais que favoreçam seu desenvolvimento, participação e realização pessoal na sociedade, de acordo com suas potencialidades, promovendo o máximo de sua autonomia e independência para a vida social, objetivando um cidadão solidário, conhecedor de seus direitos e deveres, capaz de relacionar-se, usufruir e atuar na comunidade em que vive.

    AÇÕES DESENVOLVIDAS

    AEE – Atendimento Educacional Especializado

    • O Atendimento Educacional Especializado realiza um conjunto de atividades, recursos de acessibilidade e pedagógicos organizados institucionalmente, prestado de forma complementar a formação dos alunos no ensino regular. Este trabalho está em consonância com a “Política Nacional de Educação Inclusiva”, interpreta esta modalidade não substitutiva da escolarização comum e define a oferta do Atendimento Educacional Especializado em diversas etapas, níveis e modalidades.
    • Visa atender alunos com deficiência: aqueles que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, intelectual ou sensorial, oportunizando o acesso e permanência nas classes comuns do ensino regular, encaminhados pela Secretaria Municipal de Educação de RP.
    • Busca favorecer a construção dos conhecimentos e o desenvolvimento de um trabalho complementar, através de Salas Ambientes Temáticas, possibilitando ambiente de maior liberdade de experimentações.
    • Os alunos frequentam o programa no período contrário a escolarização duas vezes na semana, sendo os dias e horários alternados conforme a necessidade do aluno e a proposta do Plano Atendimento Educacional Ensino.
    • A escola de origem do aluno encaminhado recebe orientação da ação pedagógica conforme necessidade do aluno e a necessidade de atendimento técnico especializado para o mesmo. Os professores do AEE, os professores da classe comum e a equipe multidisciplinar se reúnem para troca de experiências e relatos, quando houver necessidade, conforme a exigência de cada caso.
    • Os professores tem contato com as famílias que participam da montagem do plano de atendimento, auxiliando com informações relevantes e preenchimento do inventário familiar. Os professores realizam uma sondagem inicial para detectar os conhecimentos de cada aluno, possibilitando a orientação ao professor na montagem do plano individualizado.
    • A proposta pedagógica é contemplada com atividades voltadas a formação pessoal e familiar, identidade pessoal e da família, formação social e participação em grupos, conhecimento da sociedade e do mundo em que vive, comunicação e linguagem e cognição.

     

    EDE – Educação Exclusiva

    • Atendimento de crianças, adolescentes e adultos com deficiência, especificamente deficiência intelectual, múltipla associada à deficiência intelectual e transtornos do espectro autista que apresentam comprometimentos graves e necessitam de apoio permanente/pervasivo para a sua educação, cujas condições individuais impossibilitem a inclusão escolar imediata e/ou permanência na rede comum, encaminhados pela Secretaria Estadual de Educação.
    • São atendidos em dois níveis de ensino, nas seguintes modalidades:
      • Escolarização Inicial: atende alunos com idade entre 06 a 14 anos e 11 meses, em regime de atendimento de 2ª a 6ª feira das 07:30h às 11:30h ou das 12:30h às 16:30h.
      • Sócio Educacional atende alunos de 15 a 30 anos de idade, em regime de atendimento de 2ª a 6ª feira das 07:30h às 11:30h ou das 12:30h às 16:30h.
    • O trabalho oferece oportunidades educacionais diferenciadas, promovendo o contato com habilidades escolares funcionais, desenvolvimento da socialização e independência pessoal, proporcionando o desenvolvimento pleno do direito à cidadania.
    • Os currículos e programas são organizados numa abordagem crítica social, focando-se nas potencialidades do aluno, através de uma avaliação diagnóstica realizada em equipe multidisciplinar, sondagem inicial e aplicação de inventário familiar, buscando um alinhamento entre as necessidades avaliadas destas pessoas e o desejo de suas famílias. As adaptações do currículo são feitas a fim de favorecer as atividades de vida diária, cuidados pessoais, atividades de interação social, vivências diversificadas, atividades de expressão corporal e música, num currículo funcional que venha de encontro às necessidades do aluno e ao seu contexto de vida.
    • Devido à complexidade do atendimento aos alunos da APAE RP, além do professor especializado, pode-se contar com a presença de um auxiliar de classes e cuidador, quando necessário, considerando os apoios educacionais indicados a estes alunos, tais como: manejo comportamental, apoio na execução das atividades de sala de aula, alimentação diferenciada, apoio e cuidados na higienização, alimentação e locomoção. Os alunos também recebem apoio e atendimentos das equipes da assistência social e saúde. As salas de aula são organizadas considerando a faixa de idade do aluno, seu nível de desenvolvimento e deficiência.
    • A Proposta pedagógica é realizada a partir dos conteúdos descritos no Plano Escolar Anual, orientadas conforme quadro curricular, de acordo com as orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais e Referenciais Curriculares e metodologias específicas para o perfil do alunado.
    • Os professores utilizam recursos e estratégias que atendam às necessidades de apoio que os alunos apresentem, devido às suas características e limitações cognitivas, motoras e comunicativas.
    • O plano de ensino educacional é centrado no aluno, utilizando como base princípios que favoreçam seu desenvolvimento. O ambiente educacional proporciona ao aluno a oportunidade de participar de atividades compatíveis a sua idade em ambientes naturais. A utilização dos ambientes naturais facilita a generalização das habilidades adquiridas e o professor busca nestes ambientes o seu conteúdo curricular. O aluno é submetido às demandas naturais do ambiente, treinando habilidades funcionais em ambientes adequados possibilitando que todos os educandos com limitação intelectual possam desenvolver habilidades que lhes permitam atuar, pelo menos em parte, em uma grande variedade de ambientes.
    • A família é parte necessária para o estabelecimento das habilidades a serem desenvolvidas. A participação dos pais e irmãos aumenta as chances do trabalho ter continuidade fora da escola.